Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Tecnologias para preservação da água são apresentadas pela UFT na Agrotins
Início do conteúdo da página
UFT na Agrotins

Tecnologias para preservação da água são apresentadas pela UFT na Agrotins

Por Daniel dos Santos | Publicado: Quinta, 10 de Mai de 2018, 11h30 | Última atualização em Sexta, 11 de Mai de 2018, 17h08

No estande da Universidade Federal do Tocantins (UFT) na Agrotins 2018, estão presentes duas soluções tecnológicas que têm como objetivo a preservação da água. Uma é voltada para a disponibilidade de água potável para famílias rurais. A outra é para que os órgãos responsáveis consigam monitorar o volume de água utilizado por produtores rurais em projetos de irrigação.

O químico sanitarista Francisco Pereira desenvolveu uma tecnologia para tratar água da chuva (Foto: Daniel dos Santos)O técnico-administrativo Francisco Pereira de Souza é químico sanitarista na UFT. Ele desenvolveu sistemas de tratamento de água pensando nas famílias rurais. “São quatro sistemas com diferentes especificidades que captam água do telhado e entregam à cisterna a água tratada”, explica.

Os sistemas são próprios para agricultura familiar: assentados, comunidades indígenas e quilombolas. Exige baixo valor de investimento e manutenção, com forma de operar muito simples. “É uma tecnologia para ter água potável em casa, um problema enfrentado por 30 milhões de brasileiros”, acrescenta Pereira.

A partir de ação cautelar do Ministério Público contra os produtores irrigantes na Bacia do Formoso, o Instituto de Atenção às Cidades da UFT, formado pelos cursos de Engenharia Civil, Elétrica, Ambiental e Ciências da Computação, propôs um sistema de monitoramento das bombas de captação para irrigações. “Nosso objetivo é saber quanta água o rio tem e quanta água estava sendo retirada para irrigação”, explica o professor Fernan Vergara.

Na Agrotins, o Instituto de Atenção às Cidades da UFT apresenta um sistema de monitoramento para irrigações (Foto: Danieldos Santos)
Os dados de vazão das bombas são transmitidos em tempo real. “Com isso, dá para saber se a captação está respeitando os limites determinados pelas outorgas e assim garantir uma boa gestão da água”.


 

Fim do conteúdo da página