Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Mesa-redonda do V Encontro de Cultura debate práticas com foco na diversidade
Início do conteúdo da página
PROEX

Mesa-redonda do V Encontro de Cultura debate práticas com foco na diversidade

Por Heloísa Cipriano | Supervisão: Samuel Lima | Publicado: Terça, 10 de Outubro de 2017, 17h56 | Última atualização em Quarta, 11 de Outubro de 2017, 08h38

Na tarde desta terça-feira (10), o V Encontro de Cultura das Universidades Públicas da Região Norte reuniu três palestrantes de diferentes universidades em um mesa-redonda do evento, que aconteceu no Centro Universitário Integrado de Ciência, Cultura e Arte (Cuica). O tema da mesa foi "Políticas de Cultura desenvolvidas pelas Universidades com foco nas Diversidades" e teve amplas discussões sobre o papel da cultura nas Universidades do país.

 Os palestrantes em discussão na tarde desta terça-feira (10) (Foto: Heloísa Cipriano/Dicom)Os palestrantes em discussão na tarde desta terça-feira (10) (Foto: Heloísa Cipriano/Dicom)

A mesa, coordenada pela pró-reitora de Extensão, Cultura e Assuntos Comunitários da UFT, professora Maria Santana, contou com a participação dos professores Dr. Elimar Pinheiro de Nascimento, da Universidade de Brasília (UnB); Dr. Miguel de Santa Brígida Júnior, da Universidade Federal do Pará (UFPA); e Dr. Adriano Castorino, da Universidade Federal do Tocantins (UFT). O objetivo geral do debate foi de fomentar a discussão de como são construídas as políticas de cultura para as diversidades dentro das Diretorias, Gerências ou Coordenações de Cultura.

O professor Miguel de Santa Brígida, que também é diretor de Arte, Cultura, Esporte e Lazer da UFPA, destacou como se faz o processo de gestão de cultura nas Universidades, com os três pilares: desafios, fluxos e propostas. Além disso, trouxe exemplos de ações culturais que a UFPA realiza, como o Multicampiartes e a Caravana Cultural.

O professor, que acredita que o espaço é de interação e troca de saberes, trouxe imagens de dois Multicampiartes ocorridos nas cidades de Cametá, no mês de maio deste ano, e em Bragança, no mês de junho. Dentre tantas ações culturais, o projeto reuniu nas cidades oficinas de grafite, dança, música, cortejo cultural, fotografia e orquestra sinfônica.

Adriano Castorino, membro do Colegiado Nacional Setorial de Culturas Afrobrasileiras do Ministério da Cultura e servidor da Pró-Reitoria de Extensão, Cultura e Assuntos Comunitários da UFT (Proex), também trouxe ações de cultura da Universidade que foram bem contempladas, como o Palco UFT. Numa das edições, houve presença de quadrilhas juninas e participação do cantor Arnaldo Antunes. "Trouxemos uma variedade de público de outros câmpus da UFT. Aquele dia, parecia que tínhamos uma Universidade aberta para outras funcionalidades que não só a do ensino", contou Castorino.

O discurso do professor, que levantou questões sobre a importância de reunir todas as culturas num único espaço como o da Universidade, encerrou a rodada de discussões dos palestrantes, dando início às perguntas dos ouvintes.

O professor Nascimento (UnB), relembrou como cada periódico tem sua particularidade em informar os leitores, mostrando que a mesma coisa se faz na Universidade. "Ela tem um espaço de diferença muito grande, embora haja predominâncias. Em geral, os professores são mal informados no que acontece na sociedade, e isso impacta muito nas políticas culturais da Universidade", ressalta o professor.

O V Encontro de Cultura das Universidades Públicas da Região Norte e o II Fórum de Cultura da UFT seguem até esta quinta-feira (12), com mais palestras, oficinas e apresentações acadêmicas e artísticas. Para mais informações, acesse a página do evento.

registrado em:
Fim do conteúdo da página