Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Projeto Roteiro Geo-turístico do Câmpus de Porto Nacional completa cinco anos
Início do conteúdo da página
Extensão

Projeto Roteiro Geo-turístico do Câmpus de Porto Nacional completa cinco anos

Por Vinicius Venâncio | Supervisão: Samuel Lima | Publicado: Terça, 02 de Julho de 2019, 17h50 | Última atualização em Quarta, 03 de Julho de 2019, 10h04
// // //

Projeto Roteiro Geo-Turístico teve início em 2014 (Foto: Divulgação)Iniciado em 2014, o Projeto de extensão Roteiro Geo-turístico do Câmpus de Porto Nacional da Universidade Federal do Tocantins (UFT) completa cinco anos. O Projeto oferece aulas-passeio pelo Centro Histórico de Porto Nacional e procura resgatar o espaço urbano tombado da cidade, além de contribuir com a preservação e conservação do patrimônio histórico e cultural de Desenvolver atividades de educação patrimonial com estudantes e com a comunidade do centro histórico.

Nesses cincos anos, o Projeto atendeu cerca de três mil pessoas, de aproximadamente 15 municípios. Somente no primeiro semestre deste ano foram em média 400 contemplados pelas aulas-passeios. O Roteiro serviu de base para a produção de folders, publicações completas em anais de eventos científicos, trabalhos de conclusão de curso, divulgação em jornais e programas de televisão.

"Trata-se de uma maneira não formal e além dos muros da universidade de se aprender geografia”, contou a coordenadora do projeto e professora da UFT, Rosane Balsan. “A partir das exposições da professora e dos bolsistas em lugares coletivos e ambientes fechados no centro histórico de Porto Nacional que foi efervescência no passado”, concluiu a professora.

O Roteiro Geo-turístico

O projeto foi construído e moldado até o formato atual com a ajuda de estudantes, técnicos e colaboradores da comunidade. Foram muitas pessoas que passaram pelo Roteiro e o transformaram no que é hoje.

“Fiz parte da construção e levantamento de dados históricos, fomos a campo para colher informações sobre as edificações que entrariam no nosso roteiro”, disse Gilvania de Oliveira, bolsista do projeto de 2013 a 2015. “Isso só me engrandeceu, tanto como acadêmica como na minha vida pessoal, pois sou filha de Porto e várias coisas eu não sabia. Foram anos bagagens, só posso dizer que a experiência foi ótima e sinto muita falta”, finalizou Oliveira.

Parcerias

O projeto construiu uma rede interinstitucional e conta com o apoio do Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos (Itpac) e da Comunidade de Saúde, Desenvolvimento e Educação (ComSaúde), assim como de órgãos públicos como o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e da Prefeitura Municipal de Porto Nacional.

Confira mais imagens:

Fim do conteúdo da página