Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Marcadores > Química Ambiental
Início do conteúdo da página

Química Ambiental

Alunos do Ensino Fundamental e Médio compartilham sonhos em visita ao Câmpus de Gurupi

O Câmpus de Gurupi, da Universidade Federal do Tocantins (UFT), tem recebido crianças e adolescentes de escolas da Educação Básica, para conhecerem as dependências da unidade e ampliarem suas possibilidades e sonhos com o Ensino Superior.
 
Trata-se de uma das ações do projeto de extensão UFT Sem Muros, realizado com a participação de alunos, professores e técnicos dos cursos de graduação em Agronomia, Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia, Engenharia Florestal e Química Ambiental, para divulgar aos futuros universitários as possibilidades e oportunidades que os esperam no Câmpus.
 
Alunos do 5° ano do Ensino Fundamental, da Escola Municipal Divino Ribeiro Borges, do município de Cariri do Tocantins, foram os primeiros a passearem e sonharem com as interações que os esperam em sala de aula, laboratórios e outros espaços educativos. 
 
Além deles, os adolescentes do 3° ano do Ensino Médio, do Colégio Alair Sena Conceição, da cidade de Figueirópolis, receberam o acolhimento de servidores e colegas que mantêm e constroem novas possibilidades para o ingresso deles, em breve.
 
 

Câmpus de Gurupi divulga relatório de avaliação de qualidade da água

Um projeto desenvolvido pelo Núcleo de Análises Químicas e Microbiológicas (NAQM), que conta com professores dos colegiados do curso de Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia e do curso de Química Ambiental, do Câmpus de Gurupi da Universidade Federal do Tocantins (UFT), divulgou o relatório de avaliação da qualidade da água subterrânea que é consumida na Unidade. 
 
O documento envolve um projeto realizado com recursos do Edital Universal UFT  nº 30/2020 e foi apresentado na prestação de contas, junto à Pró-Reitora de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação (Propesq/UFT).
 
 
Entre as ações, a equipe avaliou se a água distribuída à comunidade acadêmica atende aos critérios e padrões de potabilidade e se há necessidade de novas medidas de tratamento e captação de água.
 
Segundo a Comissão, "os resultados das análises demonstraram que as águas destinadas ao consumo humano apresentaram valores condizentes com as diretrizes da Portaria 05/17, do Ministério da Saúde", ao mesmo tempo em que recomenda mais frequência no "monitoramento das concentrações de Cloro Livre".
 
O relatório completo pode ser conferido aqui.
 
Fim do conteúdo da página