Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Miracema
Início do conteúdo da página

Miracema

UFT promove XIX Seminário de Iniciação Científica em outubro

No mês de outubro será realizado o XIX Seminário de Iniciação Científica da Universidade Federal do Tocantins (UFT). O evento será realizado nos câmpus de Palmas, nos dias 02 e 03 de outubro, em Porto Nacional no dia 04, em Miracema e Arraias no dia 10 e no câmpus de Gurupi será o encerramento do evento nos dias 16, 17 e 18 de outubro.

Neste ano, serão apresentados mais de 300 trabalhos divididos em quatro áreas de conhecimento: Ciências Agrárias, Ciências Biológicas e da Saúde, Ciências Exatas e da Terra e Ciências Humanas, Sociais Aplicadas e Letras.

 

Haverá premiação para o 1º, 2º e 3º melhores trabalhos de cada área do conhecimento, além da entrega de medalha e de menções honrosas para os trabalhos que se destacaram, mas não atingiram o pódio.


Os troféus desta edição foram integralmente projetados e produzidos pelo Laboratório de Tecnologias  Computacionais (Labetc-UFT), sob a coordenação do professor Warley Gramacho, representando o reconhecimento dos trabalhos desenvolvidos pela universidade, em especial, o curso de Ciências da Computação.


Confira a programação completa das apresentações de trabalhos divididas por Câmpus:
 

Câmpus Palmas

Câmpus Porto Nacional

Câmpus Arraias e Miracema

Câmpus Gurupi

UFT recebe representante do consulado do Reino Unido para palestra sobre bolsa de intercâmbio

parceriachevening_20231010_DanieldosSantos (3).jpg (Foto: danieldossantos)

 

Programa Chevening, do Reino Unido, está com inscrições abertas - até 07 de novembro - para bolsas de mestrado

Último dia para inscrição no Vestibular 2019/2

Nesta edição são oferecidas 781 vagas distribuídas em seis câmpus da instituição

Um mergulho na Amazônia Azul: jovem cientista da UFT participou de expedição à Ilha da Trindade

Um mergulho na Amazônia Azul: jovem cientista da UFT participou de expedição à Ilha da Trindade (Foto: Paulo Macedo/arquivo pessoal)

No arquipélago mais isolado do Brasil e de acesso restrito a militares e pesquisadores, Paulo Macedo monitorou tartarugas, coletou algas e, nas horas vagas da missão científica, fez mergulhos e trilhas

Fim do conteúdo da página