Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

PPGPV

Perfil do Egresso

Este Programa visa, sobretudo, formar profissionais qualificados e com treinamento diferenciado para atuar em nível superior, tanto como docente, quanto como pesquisador. O perfil do egresso está centrado nas linhas de pesquisas do Programa, com ênfase no desenvolvimento de habilidades profissionais para atuar na geração de conhecimentos e obtenção de produtos na área de produção vegetal, os quais possam impulsionar a ciência e o agronegócio nacional. Os egressos do curso são capacitados em áreas do conhecimento, permitindo o estabelecimento de relações entre o campo teórico e o aplicado, em vista de terem sido treinados para a execução de projetos de pesquisas, gerando conhecimento técnico-científico em suas respectivas áreas de especialidade. Além disso, outro objetivo do Programa é desenvolver a criticidade e a reflexão acerca das responsabilidades sociais da profissão e sua relação com o uso consciente dos recursos ambientais, considerando o crescimento populacional e a sua repercussão quanto aos aspectos econômicos, sociais e ambientais. Os egressos do PPG em Produção Vegetal da UFT são também preparados para exercerem atividades de docência, recebendo treinamento didático, atuando em atividades relacionadas com os cursos de Graduação em Agronomia, Ciências Florestais e Biotecnologia.
Diante do exposto, os egressos do Programa de Pós-graduação em Produção Vegetal, na qualidade de mestres ou doutores, deverão estar capacitados a:

  • Demonstrar conhecimentos e habilidades de pesquisador e/ou na docência dos assuntos relacionados à Produção Vegetal e suas linhas de pesquisa correlatas;
  • Produzir pesquisas e informações quanto à geração de conhecimento, no sentido de promover, de forma sustentável, o desenvolvimento do agronegócio local, regional e nacional;
  • Incorporar em seu perfil profissional a postura crítica e ética necessária ao desenvolvimento das suas habilidades;
  • Compreender a necessidade da continuidade da sua formação profissional, sendo divulgador da concepção provisória e temporal do conhecimento;
  • Produzir conhecimentos científicos no sentido de responder às demandas do agronegócio, considerando o contexto da sua inserção e importância ao desenvolvimento do país.

Os egressos do Programa de Pós-Graduação em Produção Vegetal têm conquistado alto índice de inserção profissional. O Programa tem conquistado alto índice de inserção profissional dos seus egressos. Até o final do ano de 2020 o Programa já contava com 228 egressos (mestrado e doutorado). Atualmente, 100% dos egressos de doutorado estão diretamente envolvidos com a sua área de formação e especialização. Cerca de 84% estão inseridos em atividades de ensino, pesquisa ou extensão em empresas públicas. Estes são professores efetivos em Universidades Públicas, Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, além de Centros de Pesquisa e órgãos governamentais (SEBRAE, RURALTINS, NATURATINS, ADAPEC e SECRETARIA DA AGRICULTURA). Enquanto 16% encontram-se inseridos em atividades de ensino, pesquisa ou extensão em empresas privadas, tais como Universidades (ULBRA, Faculdade Evangélica de Goianésia, Faculdade de Agronomia de Guaraí, UNIRG, etc.), bem como consultores de empresas e/ou fazendas localizadas em vários Estados, como Pará, Bahia, Tocantins, Maranhão, Mato Grosso, Piauí, etc. No caso do mestrado, em torno de 57% dos egressos realizam o doutorado em instituições como UFT (Produção Vegetal), UFV, UFLA, UnB, ESALQ, além de outras. Em torno de 24% dos egressos do mestrado estão inseridos em atividades de ensino, pesquisa ou extensão em empresas públicas. Ao passo que 12% dos egressos de mestrado estão inseridos em atividades de ensino, pesquisa ou extensão em empresas privadas. Essa contribuição já era esperada devido a carência da região em profissionais com formação no nível de mestrado e doutorado. No site do Programa (www.uft.edu.br/ppgpv) encontra-se a lista completa dos egressos e suas instituições de vínculo atual.


Egressos do mestrado em Produção Vegetal-UFT inseridos em programas de doutorado ou em atividades de ensino, pesquisa ou extensão em empresas públicas ou privadas.

Em todo o período de 2006 a 2020 tivemos 179 egressos de mestrado. Deste total, 102 egressos se inseriram em programas de doutorado, totalizando 57%. Quarenta e quatro egressos estão inseridos em atividades de ensino, pesquisa ou extensão em empresas públicas (25%). Enquanto vinte e um se inseriram em atividades de ensino, pesquisa ou extensão em empresas privadas (12%).  Doze egressos apresentam destino indeterminado ou fora do escopo da pesquisa (6%).

 Egressos-Mestrado-Producao-Vegetal.pdf 


Egressos do curso de doutorado de Doutorado em Produção Vegetal inseridos em atividades de ensino, pesquisa e extensão em empresas públicas e privadas.

Considerando que o curso de doutorado foi criado que as primeiras turmas do doutorado tiveram início a partir de 2011, e, considerando este período (2011 a 2020), o programa teve um total de 49 egressos de doutorado. Deste total, 41 egressos encontram-se inseridos em atividades de ensino, pesquisa ou extensão em empresas públicas (84%). Enquanto oito egressos encontram-se inseridos em atividades de ensino, pesquisa ou extensão em empresas privadas (16%). Nenhum egresso do período encontra-se fora do mercado de trabalho ou atuando em áreas que não estejam envolvidas em atividades de ensino, pesquisa ou extensão em empresas públicas ou privadas.

 Egressos-Doutorado-Producao-Vegetal.pdf  

Pós-doc


National Postdoctoral Program/Capes (PNPD/CAPES)

CAPES' National Post-Doctoral Program is an institutional grant program that funds post-doctoral internships in strategic areas of research in “stricto sensu” academic Postgraduate Programs (PPG) recommended by CAPES.

 

PNPD/Capes goals

I - promote high-level studies;

II - strengthen national research groups;

III - enew the staff of Postgraduate Programs (PPG) in higher education and research institutions;

IV - to promote the insertion of Brazilian and foreign researchers in post-doctoral training, encouraging their integration with research projects developed by Postgraduate Programs in the country.

 

In this regard, it should be considered that the Northern region of the country is among the most deprived in technology and research and, therefore, needs investments in education, especially with regard to the structuring of research centers. Thus, the insertion of qualified labor contributes to the scientific and technological development of the region. Among the current priorities of the Federal University of Tocantins (UFT), specifically the Campus of Gurupi, is the strengthening of agricultural research as a factor in the development of the state, since Tocantins is already emerging as a major agricultural frontier in the North of the country, offering natural conditions favorable to the development of the entire agricultural sector and, in this context, the interaction of young doctors with professors strengthens regional research.

 

 Current PNPDs

Currently, the Graduate Program has five young scientists who interact by contributing to the research and projects of professors and students in the four research lines of the program. 

  • Aline Torquato Tavares
  • Eliane Aparecida Rotili
  • Gilson Araújo de Freitas
  • Marília Barcelos Souza Lopes
  • Taynar Coelho de Oliveira Tavares 

 

PNPDs Alumni

Twenty four postdoctoral fellows from this program were formed, which contributed to their placements in institutions such as universities, institutes, research centers and private companies, with 45.8% located in the North of the country, 20.8% in the Southeast, 16.7% in the Northeast, 8.3% in central Brasil and 4.2% in Portugal. The complete list of PNPDs Alimni is found below.

  • Aloísio Freitas Chagas Júnior. Pós-doutorado (2009). Professor Associado na Universidade Federal do Tocantins, campus de Gurupi, nos cursos de Graduação em Agronomia e Pós-Graduação em Biotecnologia (Mestrado) e Produção Vegetal (Mestrado e Doutorado).
  • Anatércia Ferreira Alves. Pós-doutorado (2012). É professora Adjunta II na Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão/UEMASUL, onde leciona nos cursos de Graduação em Engenharia Agronômica e Engenharia Florestal.
  • Aroldo Ferreira Lopes Machado. Pós-doutorado (2008). Atualmente é coordenador do Programa de Pós-Graduação em Fitotecnia e professor Adjunto III da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ).
  • Artenisa Cerqueira Rodrigues. Pós-doutorado (2012). É professora adjunto vinculada ao Departamento de Engenharia Agrícola e Solos da Universidade Federal do Piauí (Campus Teresina).
  • Aurélio Vaz de Melo. Pós-doutorado (2010). Professor Associado na Universidade Federal do Tocantins, Campus de Gurupi.
  • Chrystian Iezid Maia e Almeida Feres. Pós-doutorado (2013). Atualmente é coordenador do Curso de Pós-graduação Latu sensu Reprodução Animal no Semiárido e professor titular dos Cursos de Graduação e Pós-Graduação da Universidade Santa Úrsula e dos Cursos de Medicina Veterinária e Engenharia Civil na FUNORTE.
  • César Augusto Ticona Benavente. Pós-doutorado (2012). Pesquisador Adjunto III no Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia e desenvolve trabalhos com melhoramento de hortaliças para a região amazônica.
  • Dione Pereira Cardoso. Pós-doutorado (2014). Currículo não atualizado.
  • Emerson Cristi de Barros. Pós-doutorado (2010). Professor na Universidade Federal de Viçosa-UFV, ministra as disciplinas de Entomologia agrícola, Secagem e armazenamento de grãos e Tecnologia de produção de sementes.
  • Érica Rodrigues Moreira. Pós-doutorado (2017). Atualmente trabalha na iniciativa privada (Corteva Agriscience) em Nova Mutum/MT
  • Evelynne Urzedo Leão. Pós-doutorado (2016). Atualmente é professora na Universidade Estadual do Tocantins/ UNITINS.
  • Joedna Silva. Pós-doutorado (2015). Atualmente é coordenadora de Extensão do Campus Gurupi do Instituto Federal do Tocantins/IFTO.
  • João Luis Teixeira Pestana. Pós-doutorado (2017). Professor na Universidade de Aveiro- Portugal.
  • José Iran Cardoso da Silva. Pós-doutorado (2015). Professor na Universidade Estadual do Tocantins. (UNITINS). In memorian.
  • Júlio César do Vale Silva. Pós-doutorado (2011). Professor na Universidade Federal do Ceará das disciplinas Genética Vegetal e Genética Quantitativa.
  • Kleycianne Ribeiro Marques. Pós-doutorado (2021). Assistente de campo na Monsoy, Palmas –Tocantins.
  • Lillian França Borges Chagas. Pós-doutorado (2017). Professora na Universidade Federal do Tocantins, campus de Gurupi. Ministra as disciplinas de Extensão Rural, Sociologia do Desenvolvimento Rural e Filosofia da Ciência e Ética.
  • Marçal Pedro Neto. Pós-doutorado (2014). Professor Substituto na Universidade Estadual da região Tocantina do Maranhão (UEMASUL).
  • Magnólia de Mendonça Lopes. Pós-doutorado (2013). Professora na Universidade Federal de Roraima de Tópicos Especiais em Olericultura
  • Marcelo Rodrigues dos Reis. Pós-doutorado (2010). É professor Adjunto da Universidade Federal de Viçosa, Campus de Rio Paranaíba/MG.
  • Manoel Mota dos Santos. Pós-doutorado (2009). É professor adjunto na Universidade Federal do Tocantins, Campus de Gurupi.
  • Rodrigo de Castro Tavares. Pós-doutorado (2012). Atualmente é diretor geral do Campus de Gurupi e professor nas disciplinas de formação e química do solo, morfologia e classificação do solo e agroecologia na Universidade Federal do Tocantins/UFT.
  • Roberto Antônio Savelli Martinez. Pós-doutorado (2014). É professor na Universidade do Estado Do Mato Grosso/UNEMAT (área de fitotecnia).
  • Solange Aparecida Sagio. Pós-doutorado (2015). É professora nas disciplinas de Fisiologia da Produção de Culturas Agroenergética, Biotecnologia Aplicada a Agroenergia, Biologia Molecular e Transformação Genética de Plantas na Universidade Federal do Tocantins, Campus de Palmas
  • Vitor de Laia Nascimento. Pós-doutorado (2020). É professor na Universidade Federal de Lavras, no departamento de Biologia.

Based on the information provided above, it is possible to observe how the PPG-PV has been important in meeting the demands of the national market with specialized professionals, being an important tool for instruction, preparation and dissemination of technologies to meet the needs of the scientific and global community.

 

Programa de Pós-graduação em Produção Vegetal abre seleção para bolsa PNPD/Capes

Estão abertas até esta terça-feira (6), as inscrições para os interessados em candidatar-se ao processo de seleção para o Programa Nacional de Pós-Doutorado (PNPD/Capes) por meio do Programa de Pós-Graduação em Produção Vegetal (PG-PV), do Câmpus da UFT em Gurupi. São ofertadas seis vagas. Os candidatos devem entregar a documentação para efetivar a inscrição em horário comercial (8h às 12h e das 14h às 18h) na secretaria do Programa, conforme estabelece o Edital de Abertura do processo e sua retificação.

Podem candidatar-se no processo aqueles que tiverem título de doutorado em uma dessas áreas: Produção Vegetal, Fitotecnia, Fitossanidade, Solos ou Melhoramento de Plantas. A área de concentração de referência para atividades de pesquisa é Produção Vegetal. Conforme o edital, há quatro as linhas de pesquisa do PG-PV para que o candidato escolha uma, visando desenvolver seu projeto de pesquisa: Fitotecnia, Manejo do solo e água, Melhoramento genético vegetal; e Fitossanidade.

O cronograma prevê que ocorra no dia 7 de dezembro a homologação das inscrições e o resultado final no dia 8 de dezembro (verificar item 11, no edital).

Confira os documentos publicados nesta seleção:

Programa Nacional de Pós Doutorado/Capes (PNPD/CAPES)

O Programa Nacional de Pós Doutorado da CAPES é um programa de concessão institucional que financia estágios pós-doutorais em áreas estratégicas de pesquisa em Programas de Pós-Graduação (PPG) stricto sensu acadêmicos recomendados pela CAPES.

 

Objetivos do PNPD/Capes

I - promover a realização de estudos de alto nível;

II - reforçar os grupos de pesquisa nacionais;

III - renovar os quadros dos Programas de Pós-Graduação (PPG) nas instituições de ensino superior e de pesquisa;

IV - promover a inserção de pesquisadores brasileiros e estrangeiros em estágio pós-doutoral, estimulando sua integração com projetos de pesquisa desenvolvidos pelos Programas de Pós-Graduação no país.

 

Nesse contexto, deve-se considerar que a Região Norte do país está entre as mais carentes em tecnologias e em pesquisas e, portanto, necessita de investimentos em educação, principalmente no tocante à estruturação de centros para a pesquisa. Assim, a inserção de mão obra qualificada contribui para o desenvolvimento cientifico e tecnológico da região. Entre as prioridades atuais da Universidade Federal do Tocantins (UFT), especificamente o Campus Universitário de Gurupi está o fortalecimento da pesquisa agropecuária como fator de desenvolvimento do estado, uma vez que o Tocantins já emerge como uma grande fronteira agrícola da Região Norte do país, oferecendo condições naturais favoráveis ao desenvolvimento de todo setor agropecuário e, nesse contexto, a interação dos jovens doutores com os professores fortalece a pesquisa regional.

 

 PNPDs Ativos

Atualmente o Programa de Pós-graduação conta com cinco jovens doutores que interagem contribuindo nas pesquisas e projetos de professores e alunos nas quatro linhas de pesquisa do programa. 

  • Aline Torquato Tavares
  • Eliane Aparecida Rotili
  • Gilson Araújo de Freitas
  • Marília Barcelos Souza Lopes
  • Taynar Coelho de Oliveira Tavares 

 

PNPDs Egressos

No Programa de Pós-Graduação da Produção Vegetal, campus de Gurupi da Universidade Federal do Tocantins foram concluídos 24 pós-doutorados do Programa PNPD Institucional da CAPES, o que contribuiu para suas alocações em instituições como universidades, institutos, centros de pesquisa e empresa privada, sendo que estão alocados em diversas regiões do pais e exterior 45,8% (Norte), 20,8% (Sudeste), 16,7% (Nordeste), 8,3% (Centro-Oeste), 4,2% (Portugal) e 4,2% (atividade não relacionada a pesquisa).

A lista completa dos egressos do Programa Nacional de Pós-Doutorado encontra-se abaixo .

  • Aloísio Freitas Chagas Júnior. Pós-doutorado (2009). Professor Associado na Universidade Federal do Tocantins, campus de Gurupi, nos cursos de Graduação em Agronomia e Pós-Graduação em Biotecnologia (Mestrado) e Produção Vegetal (Mestrado e Doutorado).
  • Anatércia Ferreira Alves. Pós-doutorado (2012). É professora Adjunta II na Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão/UEMASUL, onde leciona nos cursos de Graduação em Engenharia Agronômica e Engenharia Florestal.
  • Aroldo Ferreira Lopes Machado. Pós-doutorado (2008). Atualmente é coordenador do Programa de Pós-Graduação em Fitotecnia e professor Adjunto III da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ).
  • Artenisa Cerqueira Rodrigues. Pós-doutorado (2012). É professora adjunto vinculada ao Departamento de Engenharia Agrícola e Solos da Universidade Federal do Piauí (Campus Teresina).
  • Aurélio Vaz de Melo. Pós-doutorado (2010). Professor Associado na Universidade Federal do Tocantins, Campus de Gurupi.
  • Chrystian Iezid Maia e Almeida Feres. Pós-doutorado (2013). Atualmente é coordenador do Curso de Pós-graduação Latu sensu Reprodução Animal no Semiárido e professor titular dos Cursos de Graduação e Pós-Graduação da Universidade Santa Úrsula e dos Cursos de Medicina Veterinária e Engenharia Civil na FUNORTE.
  • César Augusto Ticona Benavente. Pós-doutorado (2012). Pesquisador Adjunto III no Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia e desenvolve trabalhos com melhoramento de hortaliças para a região amazônica.
  • Dione Pereira Cardoso. Pós-doutorado (2014). Currículo não atualizado.
  • Emerson Cristi de Barros. Pós-doutorado (2010). Professor na Universidade Federal de Viçosa-UFV, ministra as disciplinas de Entomologia agrícola, Secagem e armazenamento de grãos e Tecnologia de produção de sementes.
  • Érica Rodrigues Moreira. Pós-doutorado (2017). Atualmente trabalha na iniciativa privada (Corteva Agriscience) em Nova Mutum/MT
  • Evelynne Urzedo Leão. Pós-doutorado (2016). Atualmente é professora na Universidade Estadual do Tocantins/ UNITINS.
  • Joedna Silva. Pós-doutorado (2015). Atualmente é coordenadora de Extensão do Campus Gurupi do Instituto Federal do Tocantins/IFTO.
  • João Luis Teixeira Pestana. Pós-doutorado (2017). Professor na Universidade de Aveiro- Portugal.
  • José Iran Cardoso da Silva. Pós-doutorado (2015). Professor na Universidade Estadual do Tocantins. (UNITINS). In memorian.
  • Júlio César do Vale Silva. Pós-doutorado (2011). Professor na Universidade Federal do Ceará das disciplinas Genética Vegetal e Genética Quantitativa.
  • Kleycianne Ribeiro Marques. Pós-doutorado (2021). Assistente de campo na Monsoy, Palmas –Tocantins.
  • Lillian França Borges Chagas. Pós-doutorado (2017). Professora na Universidade Federal do Tocantins, campus de Gurupi. Ministra as disciplinas de Extensão Rural, Sociologia do Desenvolvimento Rural e Filosofia da Ciência e Ética.
  • Marçal Pedro Neto. Pós-doutorado (2014). Professor Substituto na Universidade Estadual da região Tocantina do Maranhão (UEMASUL).
  • Magnólia de Mendonça Lopes. Pós-doutorado (2013). Professora na Universidade Federal de Roraima de Tópicos Especiais em Olericultura
  • Marcelo Rodrigues dos Reis. Pós-doutorado (2010). É professor Adjunto da Universidade Federal de Viçosa, Campus de Rio Paranaíba/MG.
  • Manoel Mota dos Santos. Pós-doutorado (2009). É professor adjunto na Universidade Federal do Tocantins, Campus de Gurupi.
  • Rodrigo de Castro Tavares. Pós-doutorado (2012). Atualmente é diretor geral do Campus de Gurupi e professor nas disciplinas de formação e química do solo, morfologia e classificação do solo e agroecologia na Universidade Federal do Tocantins/UFT.
  • Roberto Antônio Savelli Martinez. Pós-doutorado (2014). É professor na Universidade do Estado Do Mato Grosso/UNEMAT (área de fitotecnia).
  • Solange Aparecida Sagio. Pós-doutorado (2015). É professora nas disciplinas de Fisiologia da Produção de Culturas Agroenergética, Biotecnologia Aplicada a Agroenergia, Biologia Molecular e Transformação Genética de Plantas na Universidade Federal do Tocantins, Campus de Palmas
  • Vitor de Laia Nascimento. Pós-doutorado (2020). É professor na Universidade Federal de Lavras, no departamento de Biologia.

Com as informações prestadas acima é possível observar como o PPG-PV tem sido importante em atender as demandas do mercado nacional com profissionais especializados, sendo uma importante ferramenta de instrução, preparação e difusão de tecnologias para suprir as necessidades da comunidade científica e global.

 

 

 

Fim do conteúdo da página