Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Zootecnista formada pela UFT é destaque nacional em publicação rural
Início do conteúdo da página
reconhecimento

Zootecnista formada pela UFT é destaque nacional em publicação rural

Por Daniel dos Santos | Publicado: Segunda, 11 de Junho de 2018, 11h23 | Última atualização em Segunda, 11 de Junho de 2018, 12h10

Zootecnista pela Universidade Federal do Tocantins (UFT), Consolata Piastrella foi destaque da revista Globo Rural no mês de maio de 2018. A revista é um dos principais veículos brasileiros voltados às atividades rurais. Na matéria, Consolata é apresentada como exemplo de mulher bem-sucedida profissionalmente no campo.

Consolata foi destaque na capa da Revista Globo Rural no mês de maio (Divulgação)A matéria traz a história de cinco gestoras que estão à frente de grandes fazendas e empresas agropecuárias, tendência apontada pela 7ª Pesquisa da Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio (AMBRA). O histórico do levantamento mostra que, em 2013, as mulheres ocupavam postos de comando em apenas 10% das propriedades rurais do país, número que saltou para 31% em 2017.

A empresa de Consolata atua em 86 propriedades, espalhadas nos Estados de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Minas Gerais e Tocantins. Das empresas atendidas, 16 são de confinamento. Ao todo, são 400 mil animais vistoriados. Na reportagem da Globo Rural, o trabalho de Consolata é classificado como o “retrato fiel da modernização da pecuária”.

Em entrevista ao portal da Associação Brasileira de Zootecnistas (ABZ), Consolata explica que um dos confinamentos onde atua é o da Família Merola, em Santa Helena de Goiás, a 203 quilômetros de Goiânia. Lá, sob o comando da zootecnista, são engordados 70 mil bois por ano. Há dias em que 600 bois são avaliados pela zootecnista e sua equipe.

Desafios
Consolata entende que para prosperar na profissão, precisou se superar. “Assim foi toda minha trajetória: o desafio de ser mulher em um meio exageradamente de homens, desafio de se manter feminina, o desafio de conseguir ser respeitada, o desafio de aprender tudo porque simplesmente aquele mundo não fazia parte do meu e o desafio de me manter firme mesmo quando nada era a favor”.

Segundo ela, o curso entrou em sua vida como uma aposta. E sempre apostava em si mesma. “A zootecnia me entregou todos os dias tantos desafios, que a paixão nasceu, o amor cresceu e até hoje cada dia vivido em cada período, em cada disciplina, me ajudaram e ajudam. Existe algo dentro de mim que não me permite perder tanto tempo pensando que não vou conseguir. Então, os momentos de ‘vítima’ têm hora marcada. Daí enxugam-se as lágrimas e volto novamente para os trilhos em busca de novos ventos para a sorte voltar”.

A zootecnista acredita que isso a tenha moldado também profissionalmente. “Nunca desistir de uma fazenda, de um produtor que quer fazer diferente, de um objetivo que quero alcançar. Fácil nunca é, mas continuar persistindo, isso é uma sessão fora do comum”.

Zootecnia e empreendedorismo
“A Zootecnia ensina a empreender desde a sua primeira disciplina, quer seja administração rural, ao desenho técnico, a topografia, a curva de nível, as disciplinas de cada produção. Já prestaram atenção de como elas são apresentadas? Como, senão de uma forma que nos mostra claramente a relação custo benefício de tudo. Especialmente, quando parto do pressuposto que o tripé da nossa profissão é baseado na genética, nutrição, e manejo. A zootecnia empreende beneficamente em cada produção”.

registrado em:
marcador(es): Araguaína,Home,EMVZ,Zootecnia
Fim do conteúdo da página