Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Grupo de Pesquisa promove debate sobre "A Antiguidade do Continente Americano"
Início do conteúdo da página
PORTO NACIONAL

Grupo de Pesquisa promove debate sobre "A Antiguidade do Continente Americano"

Por Elini Oliveira | Supervisão: Samuel Lima | Publicado: Segunda, 02 de Abril de 2018, 08h00 | Última atualização em Segunda, 02 de Abril de 2018, 11h29

Estreitar os laços institucionais entre a UFT e a  Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), bem como debater e divulgar os trabalhos de pesquisas dos professores a respeito da América Antiga são os objetivos do evento "A Antiguidade do Continente Americano" que é organizado pelo Grupo de Pesquisa História, Memória e Narrativas Latino-Americanas e ocorrerá nos dias 03 e 04 de abril, no Câmpus de Porto Nacional.  O evento vale como certificação de horas e  é aberto ao público em geral - mas está voltado ao estudante de História da Universidade - contará com palestra e minicursos ministrados pelo professor Alexandre Belmonte da UERJ.

Região do vulcão Llullaillaco é parte integrante do Altiplano Andino (Foto: Pixabay)Região do vulcão Llullaillaco é parte integrante do Altiplano Andino (Foto: Pixabay)No dia 3 de abril, o evento contará com uma conferência intitulada “Reflexões sobre a antiguidade da América – o altiplano andino como caso paradigmático”, onde serão discutidas questões sobre a antiguidade do nosso continente. De acordo com o palestrante, Alexandre Belmonte, vários termos têm sido usados para se referir a essa antiguidade, por exemplo, história pré-colombiana, pré-história americana, história pré-hispânica (nos países de colonização espanhola), história do pré-contato (nos EUA), história pré-colonial. "Todas essas perspectivas destacam a descoberta e subsequente invasão europeia do continente como um divisor de águas entre uma História, que conta com a presença europeia no continente, e uma pré-história, obscura e repleta de 'primitividade, sangue e idolatrias'. Trata-se de uma compreensão do nosso passado mais remoto que, claramente, estabelece um contraste negativo entre esse mundo ameríndio anterior à presença europeia e a história contada e protagonizada por europeus neste continente, a partir de 1492. Na minha conferência, analisaremos as implicações ideológicas desse tipo de representação, ao mesmo tempo em que buscaremos pensar nos significados da antiguidade americana, na urgência de se refletir sobre essa antiguidade e nas implicações – teóricas, metodológicas, narrativas – abertas por uma nova perspectiva sobre o nosso passado mais remoto", explica.

No dia 4 de abril, pela manhã e pela tarde, será oferecido o minicurso  “O altiplano andino na longa duração: paisagem, arqueologia e história”. As vagas para a participação é limitada a 50 alunos. As inscrições podem ser feitas na secretária do curso em Porto Nacional.  

Parceria

De acordo com o professor da UERJ a expectativa é que a parceria possa dar bons frutos, no sentido do intercâmbio de professores, alunos e ideias entre ambas as instituições "Nosso objetivo é estreitar os laços acadêmicos entre duas universidades de peso no país, mas que possuem trajetórias distintas e que refletem pontos de vista diferentes do nosso enorme país: uma localizada às margens do Atlântico; outra, na transição entre o cerrado e a Amazônia. Acreditamos que compartilhar experiências e pontos de vista distintos é fundamental para a constituição das ciências, e todos temos a ganhar com essa parceria interinstitucional", conta.

A fala é reforçada pelo professor da UFT, Marcelo Rodrigues, que acrescenta a intenção de despertar o interesse no público alvo. "Ainda Como objetivo queremos divulgar o grupo na academia para atrair interessados em discutir temas associados a América Latina", ressalta.

O conhecido Lago Titicaca, na fronteira entre Bolívia e Peru, também faz parte do Altiplano (Foto: Pixabay)O conhecido Lago Titicaca, na fronteira entre Bolívia e Peru, também faz parte do Altiplano (Foto: Pixabay)

registrado em:
Fim do conteúdo da página